Início Bahia Reportagem da TV Brasil aborda Recôncavo da Bahia e o Lago de...

Reportagem da TV Brasil aborda Recôncavo da Bahia e o Lago de Pedra do Cavalo; Programa foi produzido em parceria com a TV da Prefeitura de Feira de Santana

0
A pesca artesanal está presente no em torno do Lago de Pedra do Cavalo
Google search engine

O Caminhos da Reportagem Pedra do Cavalo: uma Viagem do Recôncavo ao Portal do Sertão, produzido pela TV Feira, departamento da Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Feira de Santana e afiliada da TV Brasil, leva o telespectador a uma viagem pelo interior da Bahia. O programa mostra o gigantesco reservatório de água doce localizado no coração do Recôncavo baiano, na cidade de Cachoeira.

As águas represadas pela construção da barragem de Pedra do Cavalo criaram um lago formado por dois importantes rios da Bahia, o Jacuípe e o Paraguaçu, que além de fornecer água potável e energia elétrica para 4 milhões de pessoas, ainda revela um enorme potencial ecológico e turístico abrindo espaço para a pesca esportiva e a prática de esportes aquáticos, como o jet sky, caiaque, vela e skysurf.

O entorno da barragem, cercado pela Caatinga e pela Mata Atlântica, é uma Área de Proteção Ambiental. A exploração de pescados para fins comerciais e a pesca artesanal ocorre em todo o lago de Pedra do Cavalo. Ali, o pescador Lucivaldo Pedreira mostra satisfação com os projetos de apoio aos pescadores.

“A pesca aqui é muito legal para a nossa comunidade. Esse projeto que veio pra gente chamado ‘Peixe na Rede’ foi muito lucrativo, gerando emprego e renda.”

O programa ainda revela como as cidades históricas do Recôncavo se desenvolveram em torno dessa barragem. É o caso de Cachoeira e sua irmã São Félix separadas apenas pelo Rio Paraguaçu. As duas cidades são importantes patrimônios históricos, não apenas da Bahia, mas de todo o Brasil.

O historiador Jacó dos Santos explica porque a região tem esse importante legado. “Foi aqui em Cachoeira que aconteceu o primeiro passo para a independência do Brasil, no dia 25 de junho de 1822. Foi o momento em que os portugueses ainda resistiram na Bahia”, explica. “Inclusive porque, aqui, Dom Pedro I foi aclamado Imperador e defensor perpétuo do Brasil”, argumenta.

Segundo o historiador, no século 19, o Recôncavo da Bahia tinha mais de 40 engenhos, cujas ruínas ainda resistem ao tempo, como é o caso da Casa Grande do Engenho Vitória mostrada na reportagem. Não é à toa que Cachoeira é considerada a cidade mais negra da Bahia e do Brasil, mantendo vários terreiros de candomblé e umbanda que entram no circuito do turismo religioso, alguns, tombados pelo patrimônio imaterial.

O episódio também mostra que entre Cachoeira e Feira de Santana está a cidade de Cabaceiras do Paraguaçu, onde nasceu Castro Alves, o poeta dos escravos. Ali, a casa onde ele viveu na infância foi transformada em museu que já reabriu as portas aos visitantes depois de ficar fechada por meses durante a pandemia.

Diogenisa Oliva, coordenadora do Parque Histórico Castro Alves, fala com orgulho da preservação da memória do escritor. “Nós temos uma gravata, que foi guardada antes da morte dele, temos um cachinho de cabelo, uma cômoda papeleira e uns manuscritos dele do livro dos escravos”. E complementa: “Ele era um artista completo, escreveu peças de teatro e desenhava muito bem”, explica Diogenisa apontando a pintura de Castro Alves na parede do museu.

Por fim, o episódio revela as belezas de Feira de Santana. Conhecida como a Princesa do Sertão, apelido dado por Rui Barbosa, é a maior cidade do interior da Bahia e uma das mais importantes do interior do Nordeste.

A região mantém fortes tradições. Algumas com mais de 100 anos como o Reisado de São Vicente, festejado no Dia de Reis.

Também foi ali que o samba de roda do Recôncavo ganhou um sotaque sertanejo e rompeu fronteiras. Representante do grupo de cultura popular Quixabeira da Matinha, Galdino Oliveira, conhecido como Guda, explica como seu pai, o saudoso Coleirinho da Bahia, popularizou o samba de roda.

“O samba de roda só era visto na zona rural, que a gente costuma falar, dentro da roça. E ele pegou esse samba e começou a levar para apresentar nas cidades e depois para as capitais. E graças a Deus hoje, esse samba está no mundo”, conclui orgulhoso.

Parceria

A parceira entre a Agência Brasil e a Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Feira de Santana foi resultado de sugestões apresentadas pelo jornalista e cientista social Carlos Augusto, diretor do Jornal Grande Bahia (JGB), ao, à época, secretário municipal Valdomiro Silva. Ele foi sucedido por Edson Borges, atual secretário.

Artigo anteriorFeliz Aniversário Feira de Santana 188 Anos
Próximo artigoDeputados do PSB comemoram aniversário de Feira de Santana com agenda cultural e política na cidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui